banner regulamento novo
Quarta, 23 Agosto 2017 23:56

Sindjorce vence ação e TV Verdes Mares paga mais de meio milhão de reais a jornalistas

Avalie este item
(0 votos)

Nove anos depois de ingressar com ações contra a TV Verdes Mares, afiliada da Rede Globo no Estado, o Sindicato dos Jornalistas do Ceará – Sindjorce comemora, novamente, a justiça sendo feita. Desta vez, a emissora da família Queiroz pagou mais de meio milhão de reais a 12 jornalistas, pelo descumprimento de sentenças normativas referentes a dissídios da categoria.

O processo, datado de 2008, está relacionado com a decisão da empresa de não realizar negociação coletiva com o Sindjorce, mas com o Sindicato dos Radialistas e Publicitários, no período de 2003 a 2007. À época, a TV Verdes Mares – assim como outras emissoras cearenses – passou a pagar o piso de radialista aos jornalistas, gerando um passivo trabalhista que se desdobrou em três ações judiciais.

Nesta ação, do montante total (R$ 671.378,38), são destinados a 12 jornalistas R$ 583.807,29, referente às diferenças salariais devidas pela emissora por ter reajustado os salários destes profissionais com base na convenção dos Radialistas e não dos Jornalistas. As demais verbas correspondem aos honorários advocatícios.

A justiça deu ganho de causa aos trabalhadores em 2013. Desde então, a luta tem sido fazer os cálculos individualizados de cada um dos substituídos. Um primeiro processo foi pago em 2016, no valor de R$ 2 milhões, beneficiando 45 profissionais das TVs Verdes Mares e Diário, bem como da Rádio Verdes Mares.

“Há ainda uma terceira ação contra o sistema de comunicação do Grupo Edson Queiroz, em fase de cálculos”, conta a presidente do Sindjorce, Samira de Castro. Ela lembra que o sindicato também move processos semelhantes contra as emissoras do grupo Jangadeiro, TV Cidade e Rede TV, todos com ganho de causa até a última instância e em fases diferentes de trâmite.

O sentimento de justiça feita é predominante entre os associados. Para Yonne Igrejas Siquara, uma das beneficiadas, o chamado processinho foi “uma briga dura e justa”. “Sem o sindicato, nada seria conseguido”, reforça a jornalista, que hoje mora em outro estado. Ela agradeceu a participação do Sindjorce, “de maneira atuante, nesta causa tão importante”.

Com informações e ilustração do Sindjorce

 
Ler 57 vezes
UA-39159391-7