banner regulamento novo
Sexta, 29 Setembro 2017 14:11

Sinjac realizará o Censo 2017 no mês de outubro

Avalie este item
(0 votos)

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Acre (Sinjac) durante todo o mês de outubro estará realizando o Censo 2017.

O objetivo da entidade é fazer o levantamento nos veículos de comunicação e atualizar os dados dos profissionais que já atuam na área, e dos recém chegados nos meios de comunicação. O presidente, Victor Augusto N. de Farias, fala que é necessário o levantamento para dá seguimento a outra atividade que a entidade colocará em pratica.

“O último censo foi realizado logo que assumimos a direção do sindicato e faremos nova atualização dos profissionais que estão atuando no mercado de trabalho e os novos colegas que saíram da faculdade. Após esse levantamento, daremos início a campanha de valorização profissional, pois estamos tentando inibir as irregularidades de pessoas de outras áreas em nosso meio. Não faremos mais a política de boa vizinhança e passaremos a endurecer com processo de exercício ilegal da profissão, mesmo os formados, pois para ser médico ou advogado é necessário a OAB e o CRM, e como jornalistas vamos passar a cobrar o registro profissional, seja na capital ou no interior do estado”, disse Victor.

Empresas e pessoas vem contratando profissionais que se apresentam como jornalistas e gerando problemas. Profissionais estão ficando fora do mercado por serem substituídos por pessoas sem a devida autorização para o exercício legal.

“Mesmo com a queda da obrigatoriedade do diploma de jornalista, se faz necessário penalizar pessoas que se apresentam como profissionais e causando penas a nossa sociedade, como é o caso do anuncio de suicídios, mortes por acidente entre outros”, destacou o presidente.

Exercício Ilegal da Profissão - Artigo 47 do Decreto Lei nº 3.688 de 03 de Outubro de 1941

Art. 47. Exercer profissão ou atividade econômica ou anunciar que a exerce, sem preencher as condições a que por lei está subordinado o seu exercício:

Pena - prisão simples, de quinze dias a três meses, ou multa.

Ler 153 vezes
UA-39159391-7